Skip navigation

Tag Archives: cinema

Foda esses posters feitos pelo designer gráfico Laz Marquez. Bom poder de síntese e execução de deixar com vontade de ter um deles na parede.

Your life is about to change. This is astounding film making. Watch ALL of it

Com essas exatas palavras, Damon Lindelof (produtor de Lost) apresentou ao mundo essa épica resenha de Star Wars: A Ameaça Fantasma. Não interessa se você caga baldes para Star Wars ou ama religiosamente a série, esse vídeo merece ser visto. Eu tento ficar longe de fanboys – talvez Star Wars tenha os piores deles – e foi isso que me fez hesitar antes de assistir. Imaginei o óbvio: um fanático choramingando sobre o quão ruim o filme é e como George Lucas matou a série.

Não podia estar mais enganado. Quando Lindelof diz “astounding film making” ele tá falando sério. O cara praticamente criou um documentário de 70 minutos (dividido em 7 partes no Youtube) onde ele analisa o filme de maneira absurdamente construtiva e bizarramente divertida. Só vendo para entender.

Aí vão as 3 primeiras partes:

O link dos caras é www.redlettermedia.com. Lá da pra ver o trailer da resenha do segundo filme da série, A Guerra dos Clones. Sensacional.

Saiu o trailer do novo filme do Terry Gilliam, The Imaginarium of Doctor Parnassus. O que me deixa deveras puto é saber que o filme ganhará muito mais atenção por ser o último trabalho de Heath Ledger no cinema do que por ser mais uma obra de Terry Gilliam.

Se você não faz idéia de quem é o cara, vamos lá. Além de ser um dos integrantes do Monty Pyhon, Gilliam (que é americano) é cineasta (foda_ e animador. Dirigiu clássicos como Os 12 Macacos e Brazil,  fez coisas bacanas como Os Irmão Grimm e ainda nos presenteou com uma epopeia lisérgica, Medo e Delírio em Las Vegas.

E como Heath morreu durante as filmagens, Johnny Depp, Colin Farrell e Jude Law entraram para interpretar diferentes versões do personagem. O que só deve acrescentar à bizarrice habitual de Gilliam.

E o diabo no filme é interpretado por ninguém menos que Tom Waits. Se você não faz idéia de quem é o cara, aí foda-se.

Não faço idéia de quem criou esses cartazes, mas o poder de síntese do cara merece o post. Destaque para os do Rain Man e Duro de Matar.

IM_credits

Eu sei que o filme saiu faz tempo – e já está sendo repetido à exaustão pelo Telecine – mas vale o post.

Sempre fiquei puto com as pessoas que correm do cinema assim que as luzes são acesas. Dependendo do filme, muita coisa boa pode aparecer durante os créditos finais. Um bom exemplo é Homem de Ferro. São pouco mais de 80 segundos de visual lo-fi, totalmente influenciado pela época embrionária dos videogames. Criado pelo competentíssimo Prologue. E a trilha nem precisa de comentários. Quicktime com qualidade decente aqui.

Outro bom exemplo é a animação para os créditos finais de Desventuras em Série.

lemony

Dirigida por Jamie Caliri, ela serve basicamente pra resumir o que aconteceu com os pobres irmãos durante o filme. E de sobre você leva uma aula de direção de arte. Aliás, Jamie também é o responsável por esse sensacional comercial da United Airlines.

Mas eu recomendo assistir ao quicktime no site do cara.

E pra quem curte motion graphics, o site Art of the Title é fundamental.

distric9-big

Neill Blomkamp é um cara foda. Formado pela Vancouver Film School em 98, o sul africano já fez alguns trabalhos fodas pra publicidade – o Citroen dançante é dele – mas são seus curtas que mais impressionam. Tanto que, em 2006, foi escolhido pelo Peter Jackson pra dirigir a versão cinematográfica do jogo Halo, que tinha tudo pra dar certo, mas acabou sendo cancelado devido ao seu orçamento pornográfico. O filme foi pro saco mas a parceria com Peter Jackson e o interesse da Microsoft acabou gerando três curtas fodas para promover o lançamento do Halo 3.

Claro que os curtas tiveram um orçamento enxuto, mas servem pra mostrar as (ótimas) intenções que Blomkamp tinha de filmar Halo quase que do ponto de vista de um cinegrafista de guerra. Praticamente todos os trabalhos do cara seguem o mesmo caminho: câmera na mão e estética realista. E um dos curtas dele que mais chamaram atenção, Alive in Joberg, acabou de gerar um longa-metragem, o primeiro do diretor.

O filme, que estreia no final de outubro aqui no Brasil, mostra uma nave alienígena, presa em Soweto, em Joanesburgo (aliás, Soweto significa South Western Township). Sem conseguir voltar pra casa, os alienígenas acabam tendo que conviver com os humanos, sendo alvo de preconceito tanto por parte da população civil quanto do governo. E a segregação instaurada não é novidade pra ninguém.

Se aproveitando do tom realista do filme, a campanha viral do filme já rendeu algumas peças interessantes, mas como eu já escrevi pra cacete, você pode conferir sobre ela aqui. Agradeça à galera do Ypsilon2.

E quem quiser conferir outros trabalhos do cara, aí vai.

Vodpod videos no longer available.

Essa é minha homenagem um tanto tardia a esse sensacional ainda que não completamente compreendido filme.

NACHO_FACES

Não sei vocês, mas eu vou chorar.

Sempre foi ponto pacífico que Tim Burton nasceu para dirigir Alice no País das Maravilhas.

Se você ainda tinha alguma dúvida, jogue-as pela janela agora.

Mais imagens em resoluções pornográficas aqui.

Via Wired.

red-queen_1750-670x1081

madhatter_1700-670x1053

http://www.empireonline.com/crypticcanvas/

Mais um jogo a la Dark M&M e o clássico Exercise You Music Muscle, da Virgin. Dessa vez a revista Empire reuniu 50 filmes na imagem, todos realizados nos últimos 20 anos, o que facilita um pouco as coisas.

Via Collider.